ALVIN 1.1 - ALARMES VIA INTERNET

INSTALAÇÃO

Os programas do pacote Alvin ver.1.1 são utilizados para a retransmissão, pela Internet, de eventos recebidos por um receptor de códigos de alarme padrão (MCDI, Sur-Gard, Ademco 685 ou outros), que os recebe por meio de linhas telefônicas e que comunica-se com o computador de monitoramento via uma porta serial COMx.

Pode-se fazer o "download" do pacote de dados compactados com os programas do ALVIN a partir de nosso sítio na Internet no URL: http://www.mcdi.com.br/alvin.htm

Você vai obter um pacote do WinRAR, executável e auto-extrativel, com a extensão renomeada para ".eee" para passar pelos antivírus.

PARA INSTALAR

a) CRIE uma PASTA chamada C:\Alvin no seu disco HD C:.

Nota: não use outro nome de pasta ou disco, ou algo pode não funcionar - os batches (scripts) foram testados somente com os programas instalados nesse diretório e disco!

b) salve o pacote recebido (ou obtido por "download") para a pasta C:\Alvin e renomeie o pacote novamente para a extensão ".exe" para que possa ser descompactado (tal como alvin_1-1.exe);

c) clique no pacote para executá-lo e ele abrirá uma janela do Winrar para descompactá-lo no diretório C:\Alvin; basta confirmar para descomprimir o arquivo e criar as diversas pastas dentro da pasta C:\Alvin com os programas Alvin Cliente, Alvin Servidor, o Gerador de Identificação do "hardware", todos em duas versões, para 32 e 64 bits.

Será criado, também, um diretório C:\Alvin\Guia_do_Usuario com o manual do Alvin.

O manual é bem detalhado e está no diretório "Guia_do_Usuario" que será criado dentro da pasta "Alvin".

No pacote estão dois conjuntos de programas, um para um sistema operacional de 32 bits, outro para 64 bits.

Na verdade, apenas trocam-se os arquivos de bibliotecas dinâmicas para uso com um ou outro. Essa informação sobre as bibliotecas a utilizar está nos arquivos de nome LEIA-ME.txt escritos pelo Serginho, que estão em cada subdiretório de programa.

ATENÇÃO: para não ser preciso você copiar bibliotecas, foram criados dois conjuntos de programas, um com as bibliotecas de 32 e outro com a de 64 bits.

Dentro dos diretórios 32bits\ e 64bits\ estão os mesmos programas *.jar mas nos seus diretórios estão as bibliotecas corretas para uso NO WINDOWS, com o Java Runtime Environment (JRE) de versão 6.xx (ou o de última versão).

Para usar no Linux deve-se ler os LEIA-ME.TXT e proceder corretamente.

Instruções mais organizadas para uso no Windows estão no texto "Alvin_Manual_rx.pdf" que está no diretório "Guia_do_Usuario" que será criado ao descompactar-se o pacote anexo. O 'x' do nome do arquivo é o número de revisão do mesmo.


PASSOS BÁSICOS:

Mantém-se apenas o diretório de programas para 32 bits ou 64 bits conforme a máquina e sistema operacional em uso e apaga-se o outro - ou executa-se o 'script' Instala.bat do diretório C:\Alvin que apagará os programas que não vão ser utilizados; executa-se o programa GID.BAT que é o "batch" de geração de Identificação da Máquina que está no diretório TGid; envia-se o arquivo com a identificação da máquina para a MCDI do Brasil para obter uma licença temporária ou definitiva de uso do programa, conforme necessário; informe se esse PC será o "Cliente" ou o "Servidor". Um arquivo de licença sera´ retornado, junto com um arquivo de configuração padrão; recebidos os arquivos de licença e de configuração, copiam-se ambos para o diretório TC1 (no PC Cliente) ou para o diretório TS1 (no PC Servidor); edita-se e CONFIGURA-SE o arquivo de configuração recebido para as condições do computador, depois executa-se o batch adequado: o S.BAT no Servidor para iniciar a comunicação, depois o CLI.BAT no Cliente.

Seguem instruções detalhadas, que devem estar também no manual do Alvin que está no diretório "Guia_do_Usuario".

a) Informações genéricas

Os programas "batch" e os links para o MS-DOS que estão nos diversos diretórios do pacote estão escritos para os programas nos diretórios originais, sendo o pacote descompactado para C:\Alvin com os subdiretórios contidos no pacote.

No diretório C:\Alvin estarão os diretórios 32BITS e 64BITS.

Em cada um desses estão os programas Alvin Cliente, Servidor e Gerador de Identificação do PC para esses sistemas operacionais, com suas bibliotecas.

Cada pasta TC1\, TS1 ou \TGID pode ser copiada para qualquer outra pasta, e podem ter seus nomes trocados, desde que contenham os programas, bibliotecas e o subdiretório \lib com seu conteúdo. Os diretório x86 e x64 não são necessários, desde que as bibliotecas adequadas que neles estão já estejam copiadas para o local correto conforme o LEIAME.TXT de cadas programa. Os programas "batch" CLI.BAT, GID.BAT e S.BAT deverão ser ajustados para os novos diretórios, caso eles sejam alterados.

Há textos diversos nos diretórios de cada programa, com informações úteis, deve-se dar uma olhada nos mesmos.

Os LEIA-ME.TXT informam as bibliotecas a copiar para os diretórios dos programas conforme usa-se 32 ou 64 bits.

ATENCAO!

As bibliotecas já estão copiadas para os locais corretos, e foram criados dois conjuntos de programas - usa-se apenas o conjunto do diretório adequado -, \32bit ou \64bit, assim não é preciso copiar as bibliotecas, apenas usam-se os programas do diretório correto para o sistema operacional instalado.

Em cada diretório de programa há um "batch" que executa o programa em java com os parâmetros necessários: CLI.BAT, GID.BAT, S.BAT. Esses 'batchs' são para evitar a digitação da linha de comando comprida, sensível à caixa, que executa o programa em Java.

Além disso, em cada "batch" há uma linha "TITLE Alvin (tipo) i" que é o titulo da janela do DOS. Pode-se editar e ajustar o numero da instância do programa, se necessário - mais sobre isso mais à frente...

Inicialmente, coloque ou edite um "atalho" para o CMD.EXE no diretório TC1, TS1 e TGid, assim abre-se uma janela do MS-DOS no diretório de interesse e executa-se o comando "batch" que está ali.

O "batch" passa os parâmetros na linha de comando para o programa em Java, conforme as instruções do LEIA-ME.TXT.

Na janela do MS-DOS digita-se C:\>java -version(Enter) para ver a versão do Java Re instalado.

b) Computador "CLIENTE"

Um computador Cliente tem um receptor ligado a uma porta COMx: esse "Cliente" transmite os dados do receptor para o "Servidor". O Cliente recebe os dados da porta COMx e os envia por TCP/IP para o computador "Servidor".

No computador 'cliente' executa-se o programa "batch" chamado CLI.BAT.

O Cli.bat executa a maquina virtual Java e o programa "TCPtxClient.jar" que está no diretório TC1\, conforme está no LEIA-ME.TXT desse diretório.

As bibliotecas de adequadas 32 ou 64 bits já estão copiadas para \TC1, e O "batch" CLI.BAT torna isso mais fácil.

Nota: TC1 vem de "Tcp Cliente número 1".

c) Computador "SERVIDOR"

Um computador Servidor recebe dados do "cliente" por TCP/IP e os envia para uma porta COMx que deve estar ligada ao computador de monitoramento de alarmes com um programa MCDI de monitoramento em execução.

No computador 'servidor' executa-se o programa "batch" chamado S.BAT. O S.bat executa a máquina virtual Java e o programa "TCPtxServer.jar" que está no diretório TS1\, conforme está no LEIA-ME.TXT desse diretório. O "batch" S.BAT torna isso mais fácil.

d) Liberação para uso - GID

Antes de mais nada, será preciso liberar os programas para uso. Eles usam o mesmo padrão da MCDI - cria-se um arquvo de identificação da máquina e envia-se para a MCDI do Brasil. A partir do arquivo de identificação, a MCDI do Brasil gera um arquivo de licença e um de configuração que devem ser copiados para o diretório do programa a ser executado.

Para gerar o arquivo de identificação do hardware deve-se executar o programa GetHwId.jar de dentro do diretório TGID\ com os parâmetros conforme o LEIA-ME.TXT desse diretório.

Para facilitar a vida, criei o 'batch' GID.BAT que faz o mesmo - executa a máquina virtual Java e nela

O programa GetHwId.jar deve executar e solicitar as informações de Nome do cliente, Email do cliente, telefone do cliente, o Tipo de programa que se vai executar nesse computador, se 'C' = Cliente ou 'S' = Servidor.

NÃO SE DEVEM USAR ESPAÇOS NEM CARACTERES ESPECIAIS, apenas letras e números, NO NOME DO CLIENTE - USAM-SE CARACTERES SUBLINHADOS '_' no lugar dos espaços.

O arquivo com a identificação do computador será criado com o mesmo nome do "Nome do Cliente" informado na tela de dados do programa, e ele não possui extensão.


>>As linhas abaixo são uma cópia da tela do DOS ao criar-se a identificação do computador "Admin" da rede local da MCDI do Brasil. Usei o nome do PC na rede, mas o nome deveria ser, por exemplo MCDIBR_CLI1 ou algo assim.


C:\Alvin\32bits\TGid>GID

C:\Alvin\32bits\TGid>java -Dfile.encoding=Cp850 -jar GetHwId.jar

A T E N C A: NAO UTILIZE espaços nem caracteres acentuados ou nao-ASCII bem como c-cedilha, etc...

Nome do cliente: PC_ADMIN

Email do cliente: admin@mcdi.com.br

Confirmar email do cliente: admin@mcdi.com.br

Telefone do cliente: (54)32211727

[C]liente ou [S]ervidor: C

Software: TCPtxClient

C:\Alvin\32bits\TGid>Exit

Nota: >>Nome do arquivo de ID gerado no diretório C:\Alvin\32bts\TGID: PC_ADMIN


Envia-se esse arquivo chamado PC_ADMIN (nesse caso) para a MCDI do Brasil para receber de volta um arquivo PC_ADMIN.lic com a licença e um arquivo de configuração chamado TcpTxClient.cfg. Ambos devem ser copiados para o diretório onde está o programa TCPtxClient.jar a ser executado nesse PC - o padrão é C:\ALVIN\32BITS\TC1.

O arquivo de configuração precisa ser EDITADO para informar-se nele os dados necessários.

Há um de exemplo com comentários no diretório do TCPtxClient.

Nota: A liberação precisa ser feita tanto no computador cliente como no Servidor, usando-se em ambos o programa GetHwId.jar (de 32 ou de 64 bit, conforme o sistema operacional de cada um), e informando-se corretamente qual o programa a ser utilizado.

e) ORDEM de inicialização correta:

- instala-se o computador de monitoramento com o programa para tal; conecta-se o mesmo via SERIAL com o PC que vai receber dados via TCP/IP que é um SERVIDOR do Alvin; testa-se a comunicação;

- instala-se o Alvin Servidor de 32 ou 64 bits no computador SERVIDOR conforme necessário. Para isso, cria-se uma pasta C:\Alvin e copiam-se para ela os diretórios \TS1 e \TGID adequados (de 32 ou 64 bit, conforme o sistema operacional em uso); altera-se o arquivo TCPtxServer.cfg do diretório TS1 para receber dados do "Cliente";

- instala-se o receptor a uma porta COMx do PC "Cliente"; testa-se a comunicação;

- instala-se o Alvin Cliente de 32 ou 64 bits no computador CLIENTE conforme necessário; ajusta-se o TCPtxClient.cfg do diretório TC1 para que se comunique com o Servidor;

- executa-se o programa de monitoramento no PC de monitoramento e configura-se nele o receptor ligado ao cliente na porta COM do Servidor;

- executa-se o programa S.BAT (ou o TCPtxServer.jar com os parâmetros adequados) no Servidor; ele ficará em espera, aguardando uma conexão do Cliente;

- executa-se o programa CLI.BAT (ou o TCPtxClient.jar com os parâmetros adequados) no Cliente; ele iniciará a conexão e começará a transmitir os dados do receptor para o Servidor.

COMO USAR:

Então: para usar um programa numa maquina de 32 bits, apaga-se o diretório \64bits totalmente, e vice-versa.

Existem três diretórios com programas:

TGid\

PROGRAMA GetHwId.jar - o "Gerador de Identificação do Hardware" -, executado pelo GID.BAT;

TC1\

PROGRAMA TCPtxClilent.jar - o "cliente" -, executado pelo "batch" CLI.BAT, e

TS1\

PROGRAMA TCPtxServer.jar - o "Servidor" - executado pelo S.BAT.

Executa-se o gerador de identificação de hardware para obter a liberação para uso dos demais.

Copiam-se o arquivo de licença e o de configuração adequados para o diretório do programa a usar.

Edita-se o arquivo de configuração com o Edit do MS-DOS ou o Notepad do Windows e ajustam-se as configurações conforme necessário para o computador em uso.

Executa-se o Alvin Servidor e depois o Cliente.

CASO DE MAIS DE UM RECEPTOR EM UM CLIENTE:

Nesse caso, a PORTA TCP/IP deve ser diferente para cada receptor, e uma nova instância do CLIENTE e do SERVIDOR devem ser executadas.

Se o programa cliente está em C:\alvin\32bits\TC1

cria-se um outro diretório, tal como C:\Alvin\32bits\TC2 e copia-se para ele TUDO o que está no TC1 e no seu subdiretório lib\.

Agora altera-se o nome do "batch" cli.bat de TC2 para CLI2.BAT; edita-se o mesmo pelo Notepad e troca-se a linha TITLE para informar que esse é o 2; altera-se o TCPtxClient.cfg para que ele use outra PORTA de transmissão TCP se ele vai enviar os dados para o mesmo Servidor que o programa que está em TC1. Se o servidor é outro, aí troca-se o IP também.

Altera-se a Porta COM do receptor para o segundo receptor conectado.

CASO de mais de um Programa SERVIDOR em um mesmo PC

No Servidor faz-se o mesmo: copia-se o conteudo do diretorio TS1 para um TS2, alteram-se a configuração de PORTA TCP/IP na configuração editando-se o TCPtxServer.cfg do diretorio TS2, altera-se o nome do batch S.BAT para S2.BAT e edita-se nele a linha TITLE ... para informar o numero 2 no titulo da janela.

Executam-se os dois 'batches' S.BAT (no servidor) e o CLI.BAT (no cliente), depois o S2.BAT no servidor e o CLI2.BAT no cliente, e tudo deve funcionar.


NOTA: A CPU DO COMPUTADOR SERVIDOR OU CLIENTE FICA COM 100% DE CARGA. Isso é normal - há inúmeros 'threads' rodando simultaneamente, todos com o máximo de potência possível. Esses PCs do Alvin devem ser dedicados, mesmo.

Mais instruções estão no texto "Alvin_Manual_rx.pdf" que está no diretório Alvin que será criado ao descompactar-se o pacote anexo.

Aceitam-se perguntas e opiniões...


Atenciosamente,


MCDI DO BRASIL

Eng. Teodorico

26/3/2012